Turismo em São José do Egito

Além de ser uma terra rica em sua produção cultural e na edição de eventos (Festa de Reis, Galo da Travessa, Festa Universitária, Festival de Cantadores, Festividades Juninas, Exposição de Animais, etc.), que garantem a visitação ao município durante todo o ano, principalmente no tocante ao renome por ser o local que concentra mais repentistas e poetas de bancada no Nordeste Brasileiro, São José do Egito dispõe de atrativos quanto ao turismo rural e religioso.
Fora da sede do município, temos na região do Sítio São Pedro um vulcão abortado, uma das capelas mais antigas do Pajeú e o túmulo de João Dantas (figurante da história nacional por ter assassinado João Pessoa).
Nos arredores do Povoado das Batatas, diversas inscrições rupestres remetem ao passado daqueles que iniciaram a história nas terras do Pajeú.
O Monte da Igrejinha, a dois quilômetros da sede, é local de devoção à Nossa Senhora da Saúde e serve de mirante para se visualizar toda a zona urbana.
O antigo Beco de Laura, no Centro, expõe nas paredes de suas residências trabalhos de grandes mestres da poesia.
E o Centro Antigo, com sua bela Matriz de São José, ainda apresenta parte do casario dos tempos do início da formação da atual cidade, no estilo arquitetônico pós-colonial.thumbs
SÃO JOSÉ DO EGITO – ATRATIVOS TURÍSTICOSZONA URBANA1 – Igreja Matriz de São José
2 – Praça da Matriz – Marco Zero
3 – Beco de Laura
4 – Rua Joaquim Nabuco (Rua do Arranco)
5 – Memorial da Cultura Popular
6 – Casario do Centro Antigo
7 – Praça Antônio JorgeZONA RURAL1 – Sítio Arqueológico de Pedro Joaquim e Cachoeira da Dedé
2 – Fazenda São Pedro
. Casa grande
. Capela (1695)
. Cemitério (Túmulo de João Dantas, assassino de João Pessoa)
. Serra Negra (Vulcão Abortado)
. Sítio arqueológico (Inscrições rupestres)
3 – Mirante do Monte da Igrejinha

São José do Egito – História

O Início

Por volta de 1830, fazendeiros das cabeceiras do Rio Pajeú resolveram estabelecer residência no vale meridional da Serra da Borborema, no ponto de confluência do Riacho São Felipe com aquele rio. Após algum tempo cuidando de suas plantações, construíram ali uma capela dedicada a São José, em torno da qual surgiu a povoação que teve sucessivos nomes: São José das Queimadas, São José da Ingazeira, São José do Egito.
A Vila foi criada a 25 de maio de 1877, através da Lei Provincial nº 1.260, sob o nome São José de Ingazeira. A 09 de abril de 1894, através de ato do governador do Estado Alexandre José Barbosa Lima, ganhou organização judiciária, tornando-se independente do município de Ingazeira ao qual estava anexada.
igreja-matrriz-s-j-egito

Conflito São Pedro X Queimadas

A povoação do lugar iniciou-se com a construção de uma capela dedicada a São José por fazendeiros da cabeceira do Rio Pajeú, no lugar Queimadas, vale meridional da Serra da Borborema e ponto de confluência do Riacho São Filipe com o mesmo Pajeú. Fazendeiros vizinhos, que possuíam uma capela dedicada a São Pedro, atacaram e destruíram o templo. Uma nova capela foi erguida. Um novo ataque foi tentado, desta vez sem êxito, pois houve resistência. O povoado foi intitulado São José das Queimadas em 1865.

Emancipação Política

São José do Egito foi elevada à categoria de Cidade através da Lei Estadual nº 991, a 01 de Julho de 1909.
Por decisão da sociedade egipciense ficou estabelecido que a emancipação política deveria ser comemorada em 09 de março, quando o então governador do Estado, extraoficialmente, deu poderes emancipatórios ao novo município.