Galo da Travessa em 2017 será realizado no sábado 18 de fevereiro. Foto: Divulgação

Galo da Travessa em 2017 será realizado no sábado 18 de fevereiro. Foto: Divulgação

Os organizadores do bloco carnavalesco Galo da Travessa já estão nos preparativos para a 12ª edição do seu desfile. Um dos fundadores da agremiação, Dr. Romério Guimarães, confirmou a realização do evento.

Em 2017 o Galo da Travessa fará seu percurso no sábado 18 de fevereiro. Ainda não foi informado o roteiro. As atrações devem ser divulgadas em breve.

Os primeiros passos do Galo foram dados na Travessa 04 de Outubro, no Centro, quando alguns amigos que gostam de Carnaval se reuniram para festejar. Por esse motivo o bloco recebeu tal denominação.

A data do Galo da Travessa sempre coincide com um sábado antes do de Zé Pereira.

Carnaval 2017: Apenas músicos pernambucanos ou que tenham atuação cultural no Estado serão aceitos dentro das categorias. Foto: Reprodução

Carnaval 2017: Apenas músicos pernambucanos ou que tenham atuação cultural no Estado serão aceitos dentro das categorias. Foto: Reprodução

Está decidido: Artistas de forró eletrônico, forró estilizado, brega, swingueira, arrocha, funk, sertanejo e pagode estilizado não poderão se inscrever na convocatória do Governo de Pernambuco para o Carnaval de 2017. A decisão faz parte de um pacote de medidas da Secretaria de Cultura, através da Fundarpe e da Empetur que, no próximo ano, irão segmentar os recursos do Estado para ritmos específicos na folia.

 

Segundo o texto, 30% do orçamento serão para cultura popular, 40% para representantes da música da tradição carnavalesca, 10% para as orquestras de frevo e 20% para a música popular brasileira. Apenas músicos pernambucanos ou que tenham atuação cultural no Estado serão aceitos dentro das categorias.

 

Caso as prefeituras queiram fazer diferente não tem problema, mas o Estado vai usar a janela do Carnaval para ajudar quem precisa mais. O secretário de Cultura de Pernambuco Marcelino Granja foi enfático: “Não estamos dizendo o que é música popular ou não, mas os ritmos que deixamos de fora já têm outros privilégios durante o ano todo”.