Mesmo com a Adutora do Pajeú trazendo as águas do São Francisco para São José do Egito, o abastecimento está sendo complementado pelo açude São José II (Barro Branco). O manancial que estava complemente seco há anos ganhou quantidade considerável do precioso líquido em março deste ano com a grande chuva de 215 ml numa única noite. Na época, após as chuvas, verificou-se um volume de 40% da capacidade da barragem. Hoje, com a evaporação e o que é retirado diariamente temos 25%.

Conversamos com a coordenadora regional da Compesa (Companhia Pernambucana de Saneamento) Rúbia de Freitas que detalhou como o abastecimento vem acontecendo. Ela informou que uma das maiores dificuldades enfrentadas é a irregularidade na chegada de água do “Velho Chico”. Constantemente a Adutora do Pajeú apresenta problemas elétricos na estação de captação em Floresta; a situação atrasa o cronograma previamente estabelecido.

Nossa reportagem esteve observando o São José 2 e o Jureminha. De acordo com a Compesa não há como precisar o volume que há no “Açude Velho” porque não existe mais régua no manancial.

A zona urbana foi dividida em 10 áreas. Cada vez que a companhia disponibiliza água, ela é liberada para duas localidades. O intervalo para que o líquido chega na casa do consumidor é de mais ou menos seis dias.

O Saojosedoegito.Net apresenta como está o esquema de distribuição de água. Eventualmente os dias podem ser alterados caso algum problema tenha que ser sanado.

cronograma-abastecimento-compesa-sao-jose-do-egito

Disponibilizamos ainda um curto vídeo com imagens dos dois reservatórios (Jureminha e Barro Branco). As imagens foram feitas na última quarta, 26 de outubro.

Um projeto bem interessante do Diário de Pernambuco que vale a pena ver: Rotas PE

 

De Carona com o Diário

A riqueza de belezas naturais, culturais e históricas transforma Pernambuco em um roteiro imperdível para viajantes brasileiros, estrangeiros e, por que não, dos próprios pernambucanos. Por ano, milhares de turistas vêm conferir com os próprios olhos o que os amigos falam ou o que viram através de revistas, publicidades ou na televisão. Quem conhece dificilmente se decepciona e vai embora dizendo até breve. O Diário de Pernambuco resolveu fazer as malas e botar o pé na estrada para conhecer in loco esses cenários que encantam à primeira vista. Com um mapa na mão e o desejo de redescobrir os encantos do estado e apresentar outros não tão conhecidos do grande público, a reportagem vai visitar 55 municípios do Litoral ao Sertão. A diferença é que o leitor do Diário vai de carona nessa viagem, intitulada Rotas PE, porque acompanhará, a cada Superedição de final de semana, um capítulo dessa aventura que só termina no fim de dezembro.

O olhar de repórteres e fotógrafos vai transformar essa viagem em um grande roteirão, com textos e imagens de locais imperdíveis para se conhecer, comidas que não podem deixar de ser experimentadas, onde comprar as lembrancinhas da viagem, além de várias dicas de turismo local.

Clique no link (Rotas PE)

Após a nossa matéria sobre a próxima eleição da Mesa Diretora da Câmara de São José do Egito vereadores são vistos – e ouvidos – em emissoras locais de rádio para agradecer aos eleitores e aproveitam para falar sobre o futuro do Legislativo egipciense.

O cenário que se apresenta é de constante indefinição. Primeiro que ainda falta muito tempo para a escolha (1º de janeiro de 2017); depois porque praticamente todos os eleitos atestam que serão candidatos.

O Saojosedoegito.Net conversou com 11 dos 13 vereadores para o mandato de 2017-2020. Em vídeo, que será apresentado logo após esta matéria, 8 deles (Albérico Tiago, Aldo da Clipsi, Beto de Marreco, David Teixeira, Doido de Zé Vicente, Flávio Jucá, Rogaciano Jorge e Tadeu do Hospital) confirmam a sua pretensão quanto à principal cadeira da Casa de Todos os Egipcienses. Os demais (Alberto de Zé Loló, Jota Ferreira e Rona Leite) também disseram, por telefone, que estão na disputa. Não conseguimos contato com Ana Maria de Romerinho nem com Antônio Andrade.

Para o próximo período de 4 anos apenas quatro nomes substituirão atuais titulares. Dois deles (Ana Maria e Rona) já passaram pela Casa. Os outros (Alberto e Antônio) terão sua primeira experiência no legislativo.

Nos bastidores, e pelo que apuramos, a movimentação é maior entre os eleitos para a próxima oposição (grupo de Zé Marcos e Dr. Romério). A conquista da maior quantidade de assentos (7) já garantiria a presidência – se apenas um for candidato e os outros o acompanharem. O problema é que alguns realmente mostram-se firmes na ideia e estão em busca de votos. Todos, entretanto, são categóricos e afirmam que um nome de consenso será escolhido.

E os eleitos do grupo de Evandro (6), o que fariam se não conseguissem mais um voto? Nos bochichos da Rua da Baixa cogita-se que haveria a possibilidade de todos da próxima situação votarem em algum nome do outro grupo. Alguém que demonstrasse afinidade com a próxima gestão e que topasse a parada. A ideia é: Melhor ter um presidente agradecido que ter uma oposição com o poder no Legislativo. Nenhum dos entrevistados confirmou isso. São as fofocas da “Balança de São José”.

Durante esse período que antecede as posses vamos afunilando as possibilidades. Sabendo mais e contando tudo aqui.

Assista agora o vídeo com as declarações de 8 vereadores que se dizem candidatos a presidente da Câmara SJE.

*Esta matéria foi postada novamente porque na primeira edição o vídeo estava apresentando problemas para visualizá-lo.

Após a nossa matéria sobre a próxima eleição da Mesa Diretora da Câmara de São José do Egito vereadores são vistos – e ouvidos – em emissoras locais de rádio para agradecer aos eleitores e aproveitam para falar sobre o futuro do Legislativo egipciense.

O cenário que se apresenta é de constante indefinição. Primeiro que ainda falta muito tempo para a escolha (1º de janeiro de 2017); depois porque praticamente todos os eleitos atestam que serão candidatos.

O Saojosedoegito.Net conversou com 11 dos 13 vereadores para o mandato de 2017-2020. Em vídeo, que será apresentado logo após esta matéria, 8 deles (Albérico Tiago, Aldo da Clipsi, Beto de Marreco, David Teixeira, Doido de Zé Vicente, Flávio Jucá, Rogaciano Jorge e Tadeu do Hospital) confirmam a sua pretensão quanto à principal cadeira da Casa de Todos os Egipcienses. Os demais (Alberto de Zé Loló, Jota Ferreira e Rona Leite) também disseram, por telefone, que estão na disputa. Não conseguimos contato com Ana Maria de Romerinho nem com Antônio Andrade.

Para o próximo período de 4 anos apenas quatro nomes substituirão atuais titulares. Dois deles (Ana Maria e Rona) já passaram pela Casa. Os outros (Alberto e Antônio) terão sua primeira experiência no legislativo.

Nos bastidores, e pelo que apuramos, a movimentação é maior entre os eleitos para a próxima oposição (grupo de Zé Marcos e Dr. Romério). A conquista da maior quantidade de assentos (7) já garantiria a presidência – se apenas um for candidato e os outros o acompanharem. O problema é que alguns realmente mostram-se firmes na ideia e estão em busca de votos. Todos, entretanto, são categóricos e afirmam que um nome de consenso será escolhido.

E os eleitos do grupo de Evandro (6), o que fariam se não conseguissem mais um voto? Nos bochichos da Rua da Baixa cogita-se que haveria a possibilidade de todos da próxima situação votarem em algum nome do outro grupo. Alguém que demonstrasse afinidade com a próxima gestão e que topasse a parada. A ideia é: Melhor ter um presidente agradecido que ter uma oposição com o poder no Legislativo. Nenhum dos entrevistados confirmou isso. São as fofocas da “Balança de São José”.

Durante esse período que antecede as posses vamos afunilando as possibilidades. Sabendo mais e contando tudo aqui.

Assista agora o vídeo com as declarações de 8 vereadores que se dizem candidatos a presidente da Câmara SJE.

Para quem tem velocidade mais lenta, veja no Youtube

 

Na manhã desta terça, 11, dezenas de vaqueiros promoveram ato em São José do Egito contra a proibição da vaquejada. Em 11 estados e no Distrito Federal aconteceram movimentos semelhantes contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que pode tornar a vaquejada ilegal em todo o país. Na semana passada o STF derrubou uma lei no Ceará que legalizava o esporte.

Após cavalgarem por diversas vias tiveram a Wafredo Siqueira (Rua da Baixa) como base para diversos pronunciamentos.

A vaquejada é uma atividade recreativa-competitiva com características de esporte do Nordeste brasileiro, no qual dois vaqueiros a cavalo têm de alinhar o animal (boi) até emparelhá-lo entre os cavalos e conduzi-lo ao objetivo (duas últimas faixas de cal do parque de vaquejada), onde o animal deve ser derrubado.