Nenen Patriota é poeta, professor e ativista cultural. Foto: Facebook

Nenen Patriota é poeta, professor e ativista cultural. Foto: Facebook

NOVENÁRIO DA VERDADE! (TÍTULO ALTERNATIVO: O SERTÃO NÃO QUER SER A CAPITAL)!
PRIMEIRA NOVENA ( PAI NOSSO QUE QUE ESTÁS NO CÉU, SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME) – O primeiro equívoco do deputado Antônio Moraes é imaginar que capital seja algo superior. Capital não é crédito, mérito ou honraria. Capital é centro administrativo e centro político de altíssima responsabilidade. Sertão não é descrédito, demérito ou desonra. Sertão é raiz, identidade indestrutível e PATRIMÔNIO Cultural da Resistência! Eis a distinção. Ela (capital) se sustenta por seus valores; ele (sertão), igualmente;

 

SEGUNDA NOVENA (VENHA A NÓS O VOSSO REINO) – O segundo equívoco (este imperdoável) é mandar elaborar um Projeto de Lei sem conhecimento da temática nem da história de um povo e, muito menos, de toda uma região, que inclusive, ultrapassa as fronteiras da divisa pajeuzeira;

 

TERCEIRA NOVENA (SEJA FEITA A VOSSA VONTADE) – Para esclarecer quem é ignorante na temática da Poesia Popular, é oportuno que se elenque os 30 municípios que carregam o aroma da poesia no sertão de Pernambuco e da Paraíba, excluindo-se naturalmente, os municípios de outras regiões dos dois estados. São 15 municípios paraibanos e 15 pernambucanos. Da Paraíba, são: 1- Teixeira; 2- Matureia; 3- Patos; 4- Imaculada; 5- Taperoá; 6- Ouro Velho; 7- Prata; 8- Sumé; 9- Monteiro; 10- Livramento; 11- Pombal; 12- Cajazeiras; 13- Pilar; 14-Desterro e 15- Princesa Isabel. Do sertão de Pernambuco, são: 1- São José do Belmonte; 2- Sertânia; 3- Arcoverde; 4-Serra Talhada; 5-Afogados da Ingazeira; 6- Iguaraci; 7- Ingazeira; 8- Tabira; 9- Triunfo; 10 – Carnaíba; 11- Tuparetama; 12- Santa Terezinha; 13- Brejinho; 14- Itapetim e 15- São José do Egito. Quem quiser, faça igual a mim, passe 40 anos pesquisando e saiba o histórico, a prática, o cotidiano, a trajetória e as tradições poéticas dos 30 municípios iluminados dos sertões de Pernambuco e da Paraíba;

 

QUARTA NOVENA (ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU) – Esclareça-se, também, que das 12 “cidades” citadas do Pajeú das Flores não há uniformidade similar entre elas. Cada qual teve e tem suas peculiaridades sui generis. Há uma relação parecida, mas o histórico faz-se distinto, inconfundível e autêntico;

 

QUINTA NOVENA (O PÃO NOSSO DE CADA NOS DAI HOJE) – No Pajeú, Santa Cruz da Baixa Verde, Quixaba, Solidão e Calumbi não exalam a mesma verve poética dos demais 12 municípios. Há manifestações e potencialidades isoladas, mas não raízes e frutos cotidianos e genuínos de efervescência no campo da poesia. Tal fato não as torna menores. Simplesmente são universos paralelos;

 

SEXTA NOVENA (PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS) – Tabira não é apenas um centro de produção poética de inteligência genial. Tabira é o município da religiosidade arraigada na alma popular. Tabira tem muito mais. De Dona Nevinha Pires, Dedé Monteiro (e família), Sebastião Dias, Genildo Santana, Pedro de Alcântara, da APPTA, dos educandários de qualidade, das festas populares, da Missa do Poeta, dos Grupos de Dança, do comércio pujante, do Movimento de Música Alternativa, da culturalíssima Feira do Gado, dos vaqueiros, aboiadores, das bandas marciais extraordinárias e das crianças e adolescentes aprendendo versificação com os mestres todo o tempo, dentre outras aptidões. Tabira é, sem dúvida, a “Cidade das Tradições”, tal qual Teixeira, Monteiro, Patos, Brejinho, Itapetim, São José do Egito (única cidade do Brasil a ter a Disciplina de Poesia Popular), Tuparetama, Triunfo e Serra Talhada. Todas elas multiculturais. Tabira não precisa de oficialismo pasteurizado da legalidade em forma de “consolação”. Tabira não necessita de condecorações oriundas de proselitismo politiqueiro. Ela já é sublime pela própria natureza e grandeza de seu povo;

 

SÉTIMA NOVENA (ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO) – Contar poetas por metro quadrado ou somar quem lança mais livros é matemática inútil. O que mede a legitimidade poética de um município é sua história, sua trajetória e suas manifestações conhecidas no Nordeste, no restante do Brasil e fora dele;

 

OITAVA NOVENA (E NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO, MAS LIVRAI-NOS DO MAL…) – Eis a história inequívoca e inapelável. Por volta de 1720, surgiram os primeiros poetas cantadores na serra de Canudos (hoje, Teixeira), sendo o primeiro genial repentista Agostinho Nunes da Costa, nascido em 1797, pai de três filhos cantadores, dentre eles, Ugolino (mais poeta que o pai e os irmãos). Por volta de 1750, alguns repentistas seguiram a nascente do Rio Pajeú (localizada em Brejinho) e encontraram um lugarejo denominado Umburanas (hoje, Itapetim) e lá se alojaram. Por volta de 1780, muitas destas famílias e seus descendentes passaram a residir em uma povoação maior, chamada de São José das Queimadas e depois São José da Ingazeira (hoje, São José do Egito). Por mais que exponha bairrismo, nada mais coerente que Teixeira ser a TERRA-MÃE DA CANTORIA; Itapetim, O VENTRE IMORTAL DA POESIA e São José do Egito, O BERÇO IMORTAL DA POESIA. A sequência foi recorrente. O Rio cuidou de expandir o seu mais rico fruto… O pioneirismo ou nascedouro se manteve nas três estrelas reluzentes das duas regiões circunvizinhas. Teixeira ofuscou o passado e o resgatou; Itapetim sempre manteve o vigor e São José do Egito aglutinou mais e se tornou mais conhecida no Brasil e no exterior. Qualquer versão não passa de versão. O que externo aqui é fato;

 

9- NOVENA FINAL (AMÉM)! –
QUEM NOSSA HISTÓRIA DESMENTE
NÃO CORRÓI O PATRIMÔNIO
COMO O “DETURPADO” ANTÔNIO
MORAES, TÃO INCOERENTE
SEU GESTO FOI IMPRUDENTE
ILEGÍTIMO, BANAL
UM ERRO CRASSO, FATAL
POR SER NÉSCIO NA RAZÃO…
SERTÃO É SEMPRE SERTÃO
CAPITAL É CAPITAL!
(POR NENEN PATRIOTA – Em 24/06.2017)

Na sessão ordinária da Câmara SJE deste sábado (17) o vereador Alberto de Zé Loló (PT) discursou sobre a polêmica envolvendo projeto do deputado estadual Antônio Moraes que confere o título “Capital da Poesia” para Tabira.

Alberto Loló foi aparteado pelos vereadores Albérico Tiago, Rona Leite e Claudevan Filho.

Confira no vídeo o pronunciamento com apartes:

márcio rochaSão José do Egito berço amado

Terra linda de verve transbordante

Onde nasce um poeta a cada instante

Em que o peito se sente emocionado

Ser teu filho e levar o teu legado

É pra mim um presente, uma alegria

És a rima, o repente, a cantoria

És a fonte da minha inspiração

Quanto orgulho ser fruto do teu chão

Ó meu Berço Imortal da Poesia

 

Márcio Rocha, 07/03/2017.

Divulgação

Divulgação

Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio Poesia Livre 2017. Podem participar do concurso todos os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos. Cada candidato pode inscrever-se com até dois poemas de sua autoria, com texto em língua portuguesa. O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido. Serão 250 poemas classificados.

A classificação dos poemas resultará no livro, Prêmio Poesia Livre 2017. Antologia Poética.

Concurso Literário e uma importante iniciativa de produção e distribuição cultural, alcançando o grande público, escolas e faculdades.

Inscrições gratuitas até 05 de março de 2017 pelo site: www.poesialivre.com.br

A realização é da Vivara Editora Nacional com apoio cultural da Revista Universidade.

Na segunda noite da Festa de Louro 2017, nesta quinta (5), na Domingos Siqueira, no Centro, a música de qualidade deu o tom. Claro, a poesia, não ficou de fora. A interação dos artistas que se apresentaram no palco Zá Marinho com o público foi o grande destaque.

A atrações se revezaram e o palco só encerrou as atividades após às 3h da madrugada. Espaço fechado, após a brilhante apresentação de Spok e seus músicos, o artista atendeu ao pedido do público para não parar e foi tocar no chão, com o seu saxofone.

Spok subiu e desceu a ladeira da Domingos Ferreira acompanhado por egipcienses e turistas, que eram muitos. Uma culminância de show fantástica que honrou quem estava desde cedo esperando a sua apresentação.

Na quinta se apresentaram, além de Spok Quinteto, Bia Marinho, Val Patriota e Tonfil, grupo Qual Foi, Vozes e Versos, Mambembe, Luizinho de Serra e Em Canto e Poesia.

A Festa de Louro homenageia os 102 de Lourival Batista e os 100 de Zezé Lulu. A programação continua até esta sexta (6) sendo encerrada no Bar O Artesão (de Diandra) – na Domingos Siqueira – com o show Duo Artista, com Helton Moura e Vertin.

Acompanhe o vídeo de Spok arrastando o público pela madrugada desta sexta (6) no Centro de São José do Egito:

Em algumas partes da estátua, como por exemplo rosto da figura do cantador, é possível notar as diferenças após o ato de vandalismo

Em algumas partes da estátua, como por exemplo rosto da figura do cantador, é possível notar as diferenças após o ato de vandalismo

Um dos lugares de São José do Egito que mais atrai turistas que desejam fazer fotos que evidenciam a tendência do lugar à poesia popular foi danificado por vândalos. O Monumento aos Poetas, no início da Rua Paulo Soares, no Centro da Capital da Poesia, teve sua estrutura deteriorada nos últimos dias. Tanto a estátua produzida com cobre bem como o canteiro defronte apresentam problemas após o ato criminoso.

O blog entrou em contato com a Prefeitura de São José do Egito através de sua Assessoria de Comunicação e levantou alguns questionamentos. Perguntamos se o Poder Executivo iria denunciar o caso à polícia; se a instituição cogita solicitar imagens de câmeras instaladas em pontos comerciais do Centro que possam ajudar a identificar quem promoveu o vandalismo e se irá providenciar a recuperação desse patrimônio público.

Por meio da Ascom o Executivo respondeu que “será enviado uma equipe da prefeitura ao local mencionado para constatação do dano ao patrimônio público”. Segundo a nota, “se comprovado tal prejuízo ao povo de São José, serão tomadas as medidas cabíveis, como recuperação do monumento e identificação dos possíveis vândalos para punição na forma da lei”.

Canteiro defronte ao Monumento parece ter sido incendiado. Foto: Reprodução/Facebook

Canteiro defronte ao Monumento parece ter sido incendiado. Foto: Reprodução/Facebook

Na resposta a prefeitura alega não ser possível definir prazos para avaliação ou possível recuperação, mas comprometeu-se a informar quando tais procedimentos forem executados.

É importante salientar que quanto mais se demora a investigar mais se perde oportunidade de descobrir quem praticou crimes ao patrimônio público.

Vamos ficar atentos e aguardando os procedimentos da prefeitura no tocante à formulação de denúncia junto à polícia e restauração do Monumento. O espaço está a poucos metros da sede do Executivo sendo uma de suas vias de acesso.

Festa de Louro 2017 acontece de 4 a 6 de janeiro. Arte: Divulgação

Festa de Louro 2017 acontece de 4 a 6 de janeiro. Arte: Divulgação

O Instituto Lourival Batista – A Casa do Repente, em São José do Egito, divulgou a programação da Festa de Louro (antes chamada Festa de Rei). Durante 3 dias (4 a 6 de janeiro de 2017) os apreciadores de poesia, música de qualidade, cinema e debates, entre outros, terão a oportunidade de acompanhar mais essa homenagem a Louro do Pajeú – O Rei dos Trocadilhos.

Nesta edição, que lembra os 102 anos de nascimento de Louro, também se exaltará o centenário de nascimento do poeta Zezé Lulu.

Entre as atrações, além dos artistas da terra, quem subirá ao palco será o renomado Spok Quinteto.

O polo principal da Festa de Louro 2017 é a Rua Domingos Siqueira, no Centro, onde o palco deve ser instalado.

 

Confira a programação:

 

QUARTA 04

Local: João Macambira

10h Infantil Decripolou Totepou, com Odília Nunes
15h Lançamento do Livro Amigos do Tirol – Encontro de histórias do asfalto com a sabedoria do Sertão, de Fernando Mousinho e outros, com Fernando Mousinho
15h30 Mesa Debate – Zezé Lulu, com Zezé Neto, Fernando Lulu e Antônio José de Lima.

 

Local: Igreja Matriz de São José

19h Missa do Cantador, celebrada pelo Pe. Luisinho, com os repentistas Valdir Teles e Diomedes Mariano

 

Local: Instituto Lourival Batista

20h30 Cine Louro, em homenagem a Severina Branca
– Filmes: Vale dos Poetas, da Página 21; Maria, de Carol Correia; O Silêncio da Noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras, de Petrônio Lorena.

 

Local: Bodega Job Patriota

22h30 Maviael Melo
23h Petrônio e as Criaturas
0h Rodrigo Marinho e MPB Xote

 

QUINTA 05

João Macambira

9h A poesia O corpo A rua, oficina de declamação com Gleison Luiz Nascimento
14h Lançamento do livro Religiosidade Popular – França e Pernambuco: Diálogos, expressões e conexões, de Silvério Pessoa
15h Lançamento do Livro Pífanos do Sertão, mapeamento e pesquisa sobre as bandas de pífanos dos sertões do Pajeú, Moxotó e Central de Pernambuco, da Página 21, com Amaro Filho e Cacá Malaquias.

 

Bodega Job Patriota

16h Banda de Pífanos de Riacho do Meio
17h Coração de Poeta

 

Palco Zá Marinho

19h Bia Marinho, Val Patriota e Tonfil
20h Qual Foi (Homenagem a Carlinhos Veras)
21h Vozes e Versos
22h Mambembe
23h Luizinho de Serra
0h Em Canto e Poesia
1h Spok Quinteto

 

SEXTA 06

 

Bodega Job Patriota

12h Baião de Dois
13h Cantoria com Diomedes Mariano e Severino Feitosa e Afonso Pequeno e Lázaro Pessoa
13h30 Recital com Gleison Luiz Nascimento e Luna Vitrolira
14h Mesa de Glosa (Zezé Neto, Paulo Barba, Veridiano Lulu, Welisson Serrinha, Denylson Lulu, Aldo Neves e Dió Daniel) Coordenação: Jorge Filó
15h Recital com Nõe de Job e Graça Nascimento
15h30 Recital com Giuseppe Mascena e Clécio Rimas(homenagem a Dedé Monteiro)
16h As Severinas
17h30 Toque Solto

 

Bar O Artesão (Bar de Diandra)

19h30 Duo Artista, com Helton Moura e Vertin
(Microfone aberto e confraternização poético-musical)

 

Em mais um aniversário
O Mestre do Trocadilho
Enobrece o calendário
Reforça nosso estribilho
Num janeiro pra dois reis
Nossa Festa desta vez
Chama todo o Pajeú
Pra juntar num só Tesouro
102 Anos de Louro
E 100 de Zezé Lulu!