vereadores-da-proxima-oposicao-confirmar-que-nao-migram-pra-grupo-de-evandroO jornalista Geraldo Palmeira Filho entrevistou neste sábado (29) seis vereadores eleitos dos sete que farão oposição ao futuro prefeito de São José do Egito, Evandro Valadares. Do Debate na Cultura (AM 1.320 KHz) participaram Alberico Tiago, Alberto de Zé Loló, Aldo da Clipsi, David Teixeira, Doido de Zé Vicente e Tadeu Gomes. Apenas Rona Leite não compareceu porque estava viajando.

Toda a entrevista girou em torno da eleição da próxima Mesa Diretora da Câmara de Vereadores. Esse é o assunto que mais movimenta as rodas de conversas e os bastidores políticos da terra dos poetas. Quem será o presidente da Casa do Povo no biênio 2017-2018?

 

O que os vereadores eleitos disseram:

Albérico Tiago

“Estamos colocando nossos nomes para avaliação. Entraremos num consenso. Aquele que melhor representar nosso grupo será o escolhido. Faremos oposição de maneira propositiva.”

 

Alberto de Zé Loló

“Vamos no consenso. Somos um grupo e vamos estar juntos seguindo as orientações dos nossos líderes Dr. Romério Guimarães e do ex-deputado José Marcos de Lima.”

 

Aldo da Clipsi

“Vai ser muito criticado qualquer um do grupo de trair o conjunto. O povo nos elegeu pra estarmos nesse grupo. Temos que honrar essa confiança e fazermos a próxima oposição. O povo não vai entender traição.”

 

David Teixeira

“Todos do nosso grupo estão aptos a exercerem a presidência da Câmara. Não quero impor a minha candidatura. Estou disponível para dialogar com todos os meus colegas e vamos chegar a um resultado comum.”

 

Doido de Zé Vicente

“Estamos unidos, os 7 vereadores da próxima oposição, para fazermos a presidência da Câmara. Quero ser candidato à reeleição mas também posso votar em qualquer um do nosso grupo.”

 

Tadeu do Hospital

“O presidente tem que ser feito dentro do nosso grupo. Não há como 7 perderem pra 6. São 7 homens de palavra. Vamos fazer uma oposição coerente mas que sabe cobrar o que foi prometido. Tenho certeza que nenhum de nós vai trair a confiança do povo de São José do Egito.”

 

O momento mais polêmico:

Quando perguntado a todos se há alguma possibilidade de deixarem o atual grupo para integrarem o grupo do prefeito eleito Evandro Valadares na possibilidade de algum ser eleito presidente por ter migrado, a resposta de todos foi a mesma: “Não!”

Os 6 vereadores eleitos deixaram claro que em nenhuma hipótese votariam em candidato de Valadares ou trocariam de grupo para serem votados por parlamentares da próxima situação.

No vídeo a seguir você escuta as respostas de cada um dos entrevistados quando disseram que não mudarão de grupo.

joao-paulo-e-geraldo-julio-fotos-de-gustavo-bezerra-pt-humberto-pradera-psb

João Paulo (PT) e Geraldo Júlio (PSB) Fotos de Gustavo Bezerra/PT – Humberto Pradera/PSB

O último debate entre o prefeito Geraldo Julio (PSB) e o ex-prefeito João Paulo (PT), candidatos à Prefeitura do Recife, foi morno, com uma sucessão de comparações entre as duas administrações. Os dois enfrentaram-se na noite desta sexta-feira (28), na TV Globo.

As críticas –bem mais contidas que no debate do dia anterior– se deram quando o candidato do PT comentava a atual administração e quando Geraldo analisava os oito anos em que João Paulo administrou a cidade.

As polêmicas começaram quando eles trataram dos índices de segurança e das condições das escolas municipais.

“A única fez que o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) teve queda foi durante a gestão dele”, criticou Geraldo Julio.

“O candidato tenta esconder a péssima realidade da educação na cidade do Recife”, rebateu João Paulo.

O ex-prefeito do Recife lembrou o aumento da insegurança na cidade. O atual prefeito culpou a crise econômica como motivo para o crescimento da violência e disse que a culpa disso era do PT.

Geraldo Julio voltou a ser chamado de “vendedor de ilusões” e “ingrato” por João Paulo. “Ele é um ingrato declarado”, afirmou o petista.

“Você desconhece tudo o que o PT faz. Você trabalhou no nosso governo.

Você teve quadros do nosso governo. Você tenta desconhecer tudo o que fizemos aqui”, disse, chamando o candidato do PSB de “robozinho”, por causa do estilo de fala do prefeito.

O candidato do PSB ironizou o adversário. “O candidato do PT já começa a perder a calma”, disse Geraldo. “Nada do que a gente fez presta. Ele bota gosto ruim em tudo.”

Enquanto João Paulo listava recursos federais repassados para o município e não utilizados, segundo o petista, Geraldo Julio citava obras nacionais não concluídas pelas administrações dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

João Paulo também acusou Geraldo Julio de “maldade” com os servidores municipais. Geraldo Julio disse ter feito “muitos concursos”, além de ter concedido reajuste acima da inflação.

Pesquisa Datafolha divulgada na terça-feira (25) aponta que Geraldo Julio tem 59% das intenções de votos válidos contra 41% de João Paulo Lima (PT). O resultado é praticamente igual ao da pesquisa anterior, de 11 de outubro, que apontava Geraldo com 58% contra 42% de João Paulo.

Considerando os votos gerais, incluindo brancos, nulos e indecisos, o prefeito subiu de 47% para 50% das intenções de voto. O petista manteve 34%.

 

 

Fonte: Uol / Daniel Carvalho

policia-militar-pe-01

Os eleitores do Recife, de Olinda, Jaboatão dos Guararapes – Região Metropolitana – e de Caruaru, no Agreste, vão no próximo domingo (30) às urnas para escolher quem governará as cidades pelos próximos quatro anos. No intuito de garantir que as votações ocorram sem problemas, a Secretaria de Defesa Social (SDS) montou um esquema especial para o segundo turno das eleições municipais. Para tanto, serão empregados 4.145 policiais militares e civis nos quatro municípios pernambucanos. Os números foram apresentados em coletiva, na manhã desta sexta-feira (28).

O efetivo será distribuído da seguinte forma: serão empregados 3.334 policiais militares nos municípios da Região Metropolitana. Na Polícia Civil, funcionarão 11 delegacias de plantão. Em Caruaru, serão empregados 584 policiais militares e 49 policiais civis. Também serão ativadas quatro delegacias de plantão. As quatro cidades ainda vão contar com o reforço de quatro equipes do Comando de Operações e Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil.

Lei Seca
De acordo com o chefe da Polícia Civil, Antônio Barros, não foi notificada nenhuma determinação do Judiciário decretando qualquer Lei Seca nos municípios que terão segundo turno. “Então, não há determinação do Judiciário e também a Secretaria de Defesa Social não há nenhuma determinação nesse sentido”, afirmou. A decisão fica a cargo do juiz eleitoral de cada município.

Brasília - Presidente da Câmara, Rodrigo Maia manteve manifestantes nas galerias, contanto que não se manifestem com palavras desrespeitosas contra os deputados favoráveis à PEC241 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Depois de mais de sete horas de discussão e obstrução da oposição, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite de hoje (25), em segundo turno, o texto principal da proposta de emenda à Constituição (PEC) 241/2016, que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos à correção da inflação do ano anterior. Foram 359 votos a favor, 116 contrários e duas abstenções. Seis destaques ao texto apresentados pela oposição ainda precisam ser votados.

Pouco antes de encerrar a votação, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mandou que a Polícia Legislativa retirasse das galerias cerca de 50 manifestantes que protestavam contra a aprovação da PEC.

Ao orientar os deputados da base governista a votarem a favor da aprovação da PEC, o líder do governo, deputado André Moura (PSC-SE), disse que a limitação de gastos é fundamental para a retomada do crescimento econômico e do emprego e para o fim da recessão. Segundo Moura, a PEC não mexe nos recursos das áreas prioritárias como a saúde e a educação.

Desde o início da discussão da PEC dos Gastos Públicos, a oposição critica a medida e diz que a limitação vai retirar recursos das áreas sociais, principalmente da saúde e da educação. Os governistas rebatem os argumentos e garantem que não haverá cortes nessas áreas.

Para que a PEC 241 seja encaminhada para discussão e votação no Senado, os deputados precisam agora votar os destaques ao texto.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e os aliados do governo esperam concluir a apreciação da PEC na Casa em novembro para que a proposta seja promulgada e passe a fazer parte da Constituição Federal.

 

Fonte: Agência Brasil

geraldo-palmeira-filho-entrevista-savio-torres

Neste sábado o jornalista Geraldo Palmeira Filho entrevistou na Rádio Cultura AM 1.320 KHz o prefeito eleito de Tuparetama Sávio Torres. No programa Debate na Cultura o próximo gestor da “Princesinha do Pajeú” comentou sobre a campanha na qual disputou a prefeitura com Dêva Pessoa, os próximos passos antes da posse, o que deve ser priorizado no seu mandato (2017-2020) e sobre o futuro da política tuparetamense.

Sobre a campanha o político alegou que o período foi marcado por muitas agressões, mas que procurou sempre manter a calma e chegar ao fim do pleito em paz.

Torres, satisfeito com mais uma conquista, alfinetou: “Essa foi a primeira eleição na história de Tuparetama que um prefeito, em mandato, não foi reeleito”.

Ainda sobre a campanha, enfático, disse: “Lutei contra a máquina, com as mãos abanando e com dificuldades financeiras imensas. Além de tudo ele (Dêva) teve o apoio do Governo do Estado. Pra você ter uma ideia, ficou a disposição do prefeito uma máquina do IPA, numa troca muito escandalosa por votos. Eram três, quatro poços ao dia; foram feitos em Tuparetama cerca de 150 poços esse ano. Pra município daquele tamanho é muita coisa, pesa muito numa campanha, mas, mesmo assim, o povo entendeu que aquilo era dinheiro público, dinheiro do Governo do Estado e nos deu essa vitória”.

De acordo com Sávio um dos trunfos para o êxito nas eleições foi o seu desempenho administrativo quando gestor. Segundo seu relato, ele teve bem avaliados os dois mandatos de prefeito, concluídos em 2012. Pesquisas de consumo interno atestavam que seu governo era classificado com bom ou ótimo por cerca de 85% dos entrevistados. Sávio Torres frisou: “O povo reconheceu o trabalho que fiz”.

Sobre os eleitos para a Câmara o próximo prefeito disse que espera que “a bancada de oposição procure ajudar o mandato; o que não é ajudar Sávio Torres”.

Na entrevista Sávio elegeu a saúde como a área que ganhará os maiores investimento em sua próxima gestão.

Indagado sobre a formação de sua equipe, o prefeito eleito disse que será formado um grupo para definir os nomes dos titulares das secretarias e atestou que deve reduzir o número de pastas.

Na conversa deixou claro que não pensa em colocar seu nome para disputar pleitos futuros. Considerou que não pretende mais ser candidato e que durante esse seu mandato deseja preparar lideranças que venham como ideias novas para que possam substituí-lo. “Acho que a minha missão de ser candidato eu já cumpri nessa vida”, concluiu.

urna-eletronica

O Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco iniciou nesta sexta-feira (21) a preparação de urnas para o segundo turno das Eleições Municipais 2016, que serão realizadas em 30 de outubro. No Estado apenas os eleitores de Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Caruaru retornarão às urnas para escolher os seus respectivos prefeitos e vice-prefeitos.

Serão utilizadas 5.950 urnas eletrônicas nas seções, quase 550 urnas de contingência e 12 de justificativa.

A preparação é realizada urna a urna, onde são atualizadas as informações dos candidatos que participarão do 2° turno. Depois de atualizados, os equipamentos são lacrados e estão prontas para serem utilizados nas eleições – a máquina lacrada só realiza operações em dia e horário pré-determinados – a partir das 7h do dia 30.

jose-marcos-de-lima-ze-marcosA matéria “Câmara SJE: Eu quero ser presidente”, do Saojosedoegito.Net, tem repercutido no segmento político. Quem conversou sobre o assunto com o blog foi o ex-deputado José Marcos de Lima.

Segundo ele, passadas as eleições, “é hora de desarmar os espíritos e trabalhar pra fazer a presidência da Câmara”. Na opinião de Zé, “quem tem a maioria não tem justificativa para perder a eleição da Mesa Diretora do Legislativo”.

O ex-deputado disse ainda que “se o povo escolheu a maioria dos vereadores do grupo é porque quer que a Casa do Povo seja gerenciada por algum eleito da próxima oposição”.

Na conversa por telefone José Marcos deixa claro que a decisão será tomada pelos próprios parlamentares eleitos, sem interferências externas. Sempre enfático, afirmou que a próxima oposição (2017-2020) deve caminhar unida já pensando no próximo embate que virá nas eleições gerais em 2018 (presidente, governadores, senadores e deputados federais, estaduais e distritais).

Durante esse período que antecede a escolha da nova Mesa (1º de janeiro de 2017) os parlamentares eleitos terão muito o que conversar. Todos demonstram “querer” a presidência, mas atestam que estão disponíveis para aceitarem uma decisão tomada em conjunto; que circule em torno da escolha de um nome apoiado pelos demais.

cunha-afastado-dida_sampaio

O presidente cassado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi preso nesta quarta-feira, 19, em Brasília. O ex-deputado foi capturado preventivamente perto do prédio dele, na Asa Norte, em Brasília, por ordem do juiz federal Sérgio Moro.

O magistrado acolheu os argumentos da força-tarefa da Procuradoria da República de que Eduardo Cunha em liberdade representa um ‘risco para a instrução do processo e para a ordem pública’. A ordem do juiz foi dada nesta terça-feira, 18.

A prisão foi decretada no âmbito da Operação Lava Jato, informou a Polícia Federal. O ex-deputado será levado para Curitiba, base da Lava Jato, até o final da tarde. Por volta das 13h40, Eduardo Cunha foi levado para o hangar da Polícia Federal, em Brasília, para embarque a capital paranaense.

Segundo a PF, a previsão de chegada do ex-deputado a Curitiba é entre 17h e 18h.

A investigação contra Eduardo Cunha sobre contas na Suíça abastecidas por propinas na Petrobrás estava sob responsabilidade do Supremo Tribunal Federal (STF). Cassado pela Câmara, o peemedebista perdeu o foro privilegiado perante a Corte máxima.

Os autos foram deslocados, então, para a 13ª Vara de Curitiba, base da Lava Jato. Na segunda-feira, 17, Moro intimou Eduardo Cunha para apresentar sua defesa prévia em ação penal que atribui ao ex-deputado US$ 5 milhões nas contas secretas que ele mantinha na Suíça.

A mulher de Eduardo Cunha, Cláudia, também é acusada na Lava Jato. Mais de US$ 1 milhão da propina que o peemedebista teria recebido sobre contrato da Petrobrás no campo petrolífero de Benin, na África, foram gastos por ela em compras de luxo na Europa, segundo os investigadores. Cláudia adquiriu sapatos, bolsas e roupas de grife na França, Itália e em outros países europeus.

Denúncias

A primeira denúncia contra Cunha veio em agosto de 2015, e acusa o parlamentar de corrupção e lavagem de dinheiro por ter recebido ao menos US$ 5 milhões em propinas referentes a dois contratos de construção de navios-sonda da Petrobrás.

Por unanimidade, o Supremo aceitou a acusação em março deste ano e tornou Cunha o primeiro político réu na Lava Jato. Nesta denúncia ele responde por corrupção e lavagem de dinheiro.

No mesmo mês, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou a segunda denúncia contra o peemedebista, desta vez por manter contas não declaradas no exterior utilizadas para receber propina, também no esquema de corrupção na Petrobrás. A denúncia teve origem na investigação da Suíça que, graças a um acordo de cooperação internacional, foi encaminhada ao Brasil para que o político pudesse ser processado no País.

Mais uma vez por unanimidade, o Supremo aceitou a acusação contra o parlamentar, que passou a responder novamente por corrupção, lavagem e, pela primeira vez, por evasão de divisas.

Em 10 de junho deste ano, Janot apresentou a terceira denúncia contra o peemedebista, desta vez por suspeita de desviar dinheiro do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS) nas aplicações que o fundo fazia em obras. A acusação tem como base a delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto e descreve em detalhes o suposto esquema ilegal instalado no banco público.

Conforme o procurador-geral, Cunha solicitava propina de grandes empresas para que Cleto viabilizasse a liberação de recursos do FGTS. O caso está sob sigilo na Corte e aguarda uma decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal que não decidiu ainda se aceita a denúncia.

 

Fonte: Estadão (Ricardo Brandt, Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho)

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Após a nossa matéria sobre a próxima eleição da Mesa Diretora da Câmara de São José do Egito vereadores são vistos – e ouvidos – em emissoras locais de rádio para agradecer aos eleitores e aproveitam para falar sobre o futuro do Legislativo egipciense.

O cenário que se apresenta é de constante indefinição. Primeiro que ainda falta muito tempo para a escolha (1º de janeiro de 2017); depois porque praticamente todos os eleitos atestam que serão candidatos.

O Saojosedoegito.Net conversou com 11 dos 13 vereadores para o mandato de 2017-2020. Em vídeo, que será apresentado logo após esta matéria, 8 deles (Albérico Tiago, Aldo da Clipsi, Beto de Marreco, David Teixeira, Doido de Zé Vicente, Flávio Jucá, Rogaciano Jorge e Tadeu do Hospital) confirmam a sua pretensão quanto à principal cadeira da Casa de Todos os Egipcienses. Os demais (Alberto de Zé Loló, Jota Ferreira e Rona Leite) também disseram, por telefone, que estão na disputa. Não conseguimos contato com Ana Maria de Romerinho nem com Antônio Andrade.

Para o próximo período de 4 anos apenas quatro nomes substituirão atuais titulares. Dois deles (Ana Maria e Rona) já passaram pela Casa. Os outros (Alberto e Antônio) terão sua primeira experiência no legislativo.

Nos bastidores, e pelo que apuramos, a movimentação é maior entre os eleitos para a próxima oposição (grupo de Zé Marcos e Dr. Romério). A conquista da maior quantidade de assentos (7) já garantiria a presidência – se apenas um for candidato e os outros o acompanharem. O problema é que alguns realmente mostram-se firmes na ideia e estão em busca de votos. Todos, entretanto, são categóricos e afirmam que um nome de consenso será escolhido.

E os eleitos do grupo de Evandro (6), o que fariam se não conseguissem mais um voto? Nos bochichos da Rua da Baixa cogita-se que haveria a possibilidade de todos da próxima situação votarem em algum nome do outro grupo. Alguém que demonstrasse afinidade com a próxima gestão e que topasse a parada. A ideia é: Melhor ter um presidente agradecido que ter uma oposição com o poder no Legislativo. Nenhum dos entrevistados confirmou isso. São as fofocas da “Balança de São José”.

Durante esse período que antecede as posses vamos afunilando as possibilidades. Sabendo mais e contando tudo aqui.

Assista agora o vídeo com as declarações de 8 vereadores que se dizem candidatos a presidente da Câmara SJE.

*Esta matéria foi postada novamente porque na primeira edição o vídeo estava apresentando problemas para visualizá-lo.

Após a nossa matéria sobre a próxima eleição da Mesa Diretora da Câmara de São José do Egito vereadores são vistos – e ouvidos – em emissoras locais de rádio para agradecer aos eleitores e aproveitam para falar sobre o futuro do Legislativo egipciense.

O cenário que se apresenta é de constante indefinição. Primeiro que ainda falta muito tempo para a escolha (1º de janeiro de 2017); depois porque praticamente todos os eleitos atestam que serão candidatos.

O Saojosedoegito.Net conversou com 11 dos 13 vereadores para o mandato de 2017-2020. Em vídeo, que será apresentado logo após esta matéria, 8 deles (Albérico Tiago, Aldo da Clipsi, Beto de Marreco, David Teixeira, Doido de Zé Vicente, Flávio Jucá, Rogaciano Jorge e Tadeu do Hospital) confirmam a sua pretensão quanto à principal cadeira da Casa de Todos os Egipcienses. Os demais (Alberto de Zé Loló, Jota Ferreira e Rona Leite) também disseram, por telefone, que estão na disputa. Não conseguimos contato com Ana Maria de Romerinho nem com Antônio Andrade.

Para o próximo período de 4 anos apenas quatro nomes substituirão atuais titulares. Dois deles (Ana Maria e Rona) já passaram pela Casa. Os outros (Alberto e Antônio) terão sua primeira experiência no legislativo.

Nos bastidores, e pelo que apuramos, a movimentação é maior entre os eleitos para a próxima oposição (grupo de Zé Marcos e Dr. Romério). A conquista da maior quantidade de assentos (7) já garantiria a presidência – se apenas um for candidato e os outros o acompanharem. O problema é que alguns realmente mostram-se firmes na ideia e estão em busca de votos. Todos, entretanto, são categóricos e afirmam que um nome de consenso será escolhido.

E os eleitos do grupo de Evandro (6), o que fariam se não conseguissem mais um voto? Nos bochichos da Rua da Baixa cogita-se que haveria a possibilidade de todos da próxima situação votarem em algum nome do outro grupo. Alguém que demonstrasse afinidade com a próxima gestão e que topasse a parada. A ideia é: Melhor ter um presidente agradecido que ter uma oposição com o poder no Legislativo. Nenhum dos entrevistados confirmou isso. São as fofocas da “Balança de São José”.

Durante esse período que antecede as posses vamos afunilando as possibilidades. Sabendo mais e contando tudo aqui.

Assista agora o vídeo com as declarações de 8 vereadores que se dizem candidatos a presidente da Câmara SJE.

Para quem tem velocidade mais lenta, veja no Youtube