espiritonatalinoFELIZ NATAL!

Chegamos ao final de mais um ano onde as pessoas, normalmente, se preparam para ceia de Natal, passagem de ano, confraternização natalina, enfim, há uma grande motivação para festas e preparação para um ano novo.

Muitos dizem que é momento de fazer uma retrospectiva sobre o ano que está chegando ao fim para planejamento do ano que se aproxima. Você já teve tempo de fazer a sua?

Se não teve as redes de TV vão fazer, só não sei se a sua retrospectiva está inclusa na história que elas vão contar e que você com certeza quer assistir.

Como está a sua preparação para o Natal? Árvore pronta, ceia encomendada ou ingredientes já preparados, e os convites? Já entregou todos? Não esqueceu ninguém? Que bom, agora é só festejar.

Neste período a correria é muito grande, muitas vezes só temos tempo para comprar os presentes, preparar os ingredientes para ceia, entregar os convites e daí falta o tempo para nossa retrospectiva.

Mas como dizem, faz parte!

Vou aqui tentar fazer a minha reflexão ao invés de retrospectiva, e se você tiver tempo de acompanhar, nesta acredito que tenha alguma coisa que possa se encaixar na sua.

Um jovem se aproximou, e disse a Jesus: “Mestre, que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?” Jesus respondeu: Se você quer entrar para a vida, guarde os mandamentos. O jovem perguntou: Quais os mandamentos? Jesus respondeu:

Não mate. Não cometa adultério. Não roube. Não levante falso testemunho. Honre seu pai e sua mãe. E ame seu próximo como a si mesmo.

Independente de nossa crença religiosa, vamos aqui ver se o que está escrito em Matheus 19 – 16 tem a ver com a nossa vida.

Como já disse, mesmo que você não acredite em Deus, você acha correto este mandamento: Não mate!

E o que entendemos por, NÃO MATE! Será apenas tirar a vida física das pessoas? Será que já matamos alguém?

Será que quando alguém vem até nós, falar dos seus projetos, e não temos tempo para escutá-los porque a nossa preocupação é com o nosso trabalho, com a toalha que ficou em cima da cama, com a caminhada que não foi possível fazer, o que estamos fazendo com esta pessoa?

Será que quando rotulamos o aluno na escola, ou o filho em casa de incapaz, o que estamos fazendo?

E quando desprezamos os nossos pais, colocamos eles sempre em segundo plano, são sempre tratados como impotentes, incapazes, inúteis, o que estamos fazendo? Qual a nossa ação em relação a vida?

Não cometa adultério. Para os cristãos o que significa Adultério? Violação, transgressão da regra de fidelidade conjugal imposta aos cônjuges pelo contrato matrimonial. Isto basta?

Simplificando, qual o nome mais comum que poderíamos dar a esta regra? Será que respeito não seria o suficiente e mais abrangente?

Considerando respeito, como está a relação de respeito em relação ao cônjuge? Tenho procurado respeitar ou apenas cumprir a regra do adultério onde não tenho relação carnal com outra pessoa? Isto basta?

E com os nossos filhos? Há uma relação mútua de respeito? Ou apenas de medo recíproco? Temos conseguido colocar limites, ou apenas proibições?

Não roube. Na linguagem jurídica e divina, seria o ato de subtrair coisa móvel alheia mediante grande ameaça ou violência.

E quando tiramos a paz, a esperança, a liberdade responsável, e algumas vezes sobre graves ameaças, que pela mente doentia, não nos damos conta, o que isto significa? Ou isto não acontece?

Não levante falso testemunho. Já pensamos sobre esta atitude? E o que é isto? Nada mais do que faltar com a verdade, mentir.

Este, assim como os outros, também leva a morte, pois quando falamos inverdades em relação a outra pessoa, acusamos de coisas que não temos certeza, não estamos apenas ferindo a honra, mas também provocando a angústia, a depressão, doenças da alma que desencadeiam outras doenças físicas capazes de subtrair-lhes a vida.

Honre seu pai e sua mãe. Poderíamos dizer que este seria um dos mandamentos direcionados aos filhos, que devem respeitar e admirar os seus pais.

Mas este seria um dos mandamentos mais universal, onde devemos respeitar e admirar nossos pais, dentre outros parentes, os nossos professores e alunos, a sociedade como um todo, pois se assim fosse teríamos uma sociedade mais justa e mais humana.

Vamos aproveitar para pensar: Estamos respeitando e admirando as outras pessoas? Estamos dando motivo para ser respeitados e admirados?

E por fim, ame seu próximo como a si mesmo. Quem ama a si mesmo, normalmente previne o seu próprio sofrimento. Portanto, se você ama ao seu próximo como a si mesmo, buscará prevenir o sofrimento dele.

Aqui se trata de uma questão simples do ponto de vista teórico e talvez complexa do ponto de vista prático.

Em primeiro lugar, você ama a si próprio? Se você ama seu próximo, de que forma?

É preciso diferenciar o amor do gostar, da paixão, do carinho e principalmente, do interesse.

As vezes estamos distantes fisicamente, mas o amor atencioso que transmitimos é bem mais intenso do que as reclamações que recebemos dos que estão presentes.

Mas não devemos esquecer que, amar não é suportar o outro, não é dar coisas materiais, é muito mais, é querer está perto para prevenir o sofrimento que possa estar por vir e aproveitar o presente, não só para afagar, mas para proporcionar paz, harmonia e coragem para suportar as adversidades da vida e viver a felicidade que a vida nos proporciona.

Um Feliz Natal, e que a manjedoura que se encontra em nossa sala seja apenas uma réplica da que se encontra em nosso coração.

Que neste natal, possamos abraçar a cada um como sinal de amor e não de obrigação, para que possamos crescer fortes e unidos no amor de Deus.

 

– As opiniões emitidas pelos colunistas e leitores são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião do Saojosedoegito.Net.

COLUNA DA QUARTA – Por Tarcízio Leite
Classificado como:        

Um comentário sobre “COLUNA DA QUARTA – Por Tarcízio Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *