Escola Municipal Baraúnas será homenageada em solene da Câmara SJE. Foto: Reprodução/Facebook Municipal Baraúnas

Escola Municipal Baraúnas será homenageada em solene da Câmara SJE. Foto: Reprodução/Facebook Municipal Baraúnas

Nesta próxima sexta-feira (02) a Escola Municipal Baraúnas será homenageada pela Câmara de Vereadores de São José do Egito. Através de requerimento do vereador Albérico Tiago (PR) vai ser realizada sessão solene no Plenário da Casa do Povo.

O educandário se localiza na zona rural do município e vem conquistando diversos prêmios. Um dos últimos foi o de Melhor Gestão Escolar de Pernambuco, dando oportunidade para sua diretora, Elaine de França Brito, participar de 13 a 28 de novembro passado do Intercâmbio Internacional de Experiências Educacionais em Washington, nos Estados Unidos da América, promovido pela Unesco e Embaixada Americana.

A solene será às 19h e deve receber, além dos parlamentares, grande público da comunidade escolar.

Imagem ilustrativa

Imagem ilustrativa

O desafio de inovar, mesmo na crise

 

Na última quarta-feira, dia 23 de novembro, publiquei um artigo com o título “Valorização do Professor” neste mesmo espaço (http://saojosedoegito.net/?p=1363) onde faço alguns questionamentos.

Dentro destes questionamentos, quero aqui apresentar propostas para realização das ações que deverão ser discutidas, inclusive com a população, quando possível.

No mês de janeiro de 2017, independente dos gestores terem sido eleitos ou reeleitos, teremos o início de novas gestões onde algo de diferente deve ser implantado e implementado nos municípios.

Está na hora de descartar as velhas práticas da política eleitoreira e colocar em prática as políticas públicas.

Está na hora de parar de reclamar da falta de educação e de limites que os pais não dão aos seus filhos e convidar os pais a participar da escola dos seus filhos.

Isto é difícil? E o que é fácil? Ou é preferível fazer o que é mais conveniente?

Quando falo da climatização das salas de aulas, de gelágua, é porque vejo um momento oportuno de se trabalhar a educação financeira junto com a educação intelectual para formação cidadã.

Por que nossas cidades necessitam de sinal de trânsito e aplicação de multa para quem não o respeitar?

Porque não temos respeito pelas pessoas, em função da falta de educação e limites dados pelos pais.

Se não temos, somos forçados a obedecer através da imposição de penalidades.

Portanto, é hora de convidar alunos e pais na escola e trabalhar a educação financeira e a educação para formação de cidadãos.

Dentro deste processo é de extrema necessidade convidar os pais, os conselhos escolares, Conselhos Tutelar, se for o caso Ministério Público e pactuar o compartilhamento de responsabilidades.

Os municípios promovam a recuperação de suas escolas e daí o “Pacto será pela Educação”, onde deve-se apresentar os gastos com a manutenção da escola, dentre eles, pintura de sala de aula, consertos de mobiliários como carteiras escolares, reposição de vidros quebrados recuperação de portas e janelas, banheiros e mostrar a necessidade e importância da educação doméstica para conservação do patrimônio público.

Os alunos que mantiverem salas com paredes e carteiras escolares em perfeito estado, receberão ar condicionado e gelágua em sala de aula, tendo em vista o valor economizado com a possível manutenção que seria feita.

Com isto começamos a educar, e preservando a sala de aula, será possível preservar o restante da escola, pois a educação não será no sentido apenas da premiação, mais da responsabilidade de se preservar o patrimônio público.

Trabalhando esta educação nas escolas, de forma concreta, ela poderá se estender pelas ruas e podemos ter uma cidade limpa e mais humanizada através do respeito.

Poderemos no futuro ter profissionais mais humanizados, principalmente na saúde, onde estejam mais dispostos a trabalhar em função da vida e menos voltados apenas para o dinheiro.

Isto é um trabalho que pode não ser realizado em um ano ou em uma gestão de quatro anos, mas é necessário iniciar, pois onde não se começa não se pode terminar.

Quanto à informatização das escolas é possível sim. É possível informatizar de forma que as matrículas realizadas nas escolas sejam acompanhadas em tempo real pela Secretaria de Educação.

Que o boletim do aluno seja publicado em redes de computadores e que as reuniões com os pais sejam para apresentar os pontos fortes e fracos dos seus filhos e orientar na sua caminhada.

Que os professores possam fazer a chamada e registrar suas aulas em tempo real de forma eletrônica.

Tornando possível também acompanhar o desempenho dos profissionais para que os planos de carreiras possam projetar a valorização do profissional educador, observando o seu desempenho e dedicação ao magistério.

Com isto é possível dar a oportunidade de profissionais qualificados desenvolverem um trabalho de qualidade que promovam a educação, pois sabemos que a falta de critérios para avaliar os profissionais muitas vezes provocam injustiças e desvaloriza o magistério e desestimulam o profissional que recebe as mesmas vantagens de quem nada produz.

Você já imaginou quantos profissionais da educação não desenvolvem um trabalho a altura do de sua capacidade por falta de estímulo?

Você já imaginou quantos profissionais da educação desenvolvem um trabalho de péssima qualidade e são suportados por serem concursados e muitas vezes apadrinhados?

Só com critérios técnicos e seriedade dentro da administração pública é possível promover a justiça entre os servidores da educação.

É preciso que o poder público se desapegue do empreguismo e da distribuição de cargos, esqueça de fazer o que todos fazem e queira fazer a diferença, e se volte para uma administração pública colocando pessoas comprometidas com o desenvolvimento da educação.

 

– As opiniões emitidas pelos colunistas e leitores são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião do Saojosedoegito.Net.

Em novembro os combustíveis ficaram entre os principais vilões do aumento do custo de vida do brasileiro.

A gasolina subiu 1% e o álcool subiu 4,5% na medição do Índice Geral de Preços Mercado. O IGP-M é apurado pela Fundação Getúlio Vargas.

Também subiram, por exemplo, os preços do plano de saúde, da refeição fora de casa e da conta de luz.

Alimentos como leite, feijão e tomate, por outro lado, ficaram mais baratos.

No geral, o IGP-M recuou 0,03%. É que além dos preços cobrados diretamente dos consumidores, que subiram 0,26%, a FGV leva em conta o custo da construção civil, que cresceu: 0,17%.

E ainda os custos dos produtores, que caíram 0,16%, puxados por matérias-primas do setor agrícola como cana, açúcar e mandioca.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O presidente Michel Temer sancionou sem vetos a lei que eleva rodeios, vaquejadas e outras expressões artístico-culturais à condição de manifestação cultural nacional e de patrimônio cultural imaterial.

Em julgamento feito em 6 de outubro, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou inconstitucional uma lei cearense que regulamentava eventos desse tipo. Desde então, a proposta que visava à sua legalização ganhou força no Congresso Nacional, a ponto de ser aprovada no mesmo dia (1º de novembro) tanto na Comissão de Educação, Cultura e Esporte quanto no plenário do Senado. A decisão do STF resultou também em uma manifestação contrária a ela, feita por vaqueiros no dia 11 de outubro na Esplanada dos Ministérios.

A vaquejada é uma atividade competitiva bastante praticada no Nordeste brasileiro, na qual os vaqueiros têm como objetivo derrubar o boi, puxando-o pelo rabo. As pessoas contrárias a essa competição argumentam ser comum o tratamento cruel de animais. Com a sanção presidencial publicada no Diário Oficial da União de hoje (30), a prática passa a ter respaldo legal.

Na defesa que fez de seu relatório aprovado em novembro, o senador Roberto Muniz (PP/BA) argumentou existir ações de aperfeiçoamento da atividade para proteção do animal. Segundo ele, é preciso discutir formas de cuidar bem dos animais sem que seja necessário negar a prática de manifestações culturais, e que a proibição da vaquejada representa “desprezo do que é a cultura nordestina”, em especial a cultura do interior do país.

Com a sanção da lei, além da vaquejada passam também a ser considerados patrimônio cultural imaterial do Brasil o rodeio e as expressões culturais decorrentes dela – caso de montarias, provas de laço, apartação, bulldog, paleteadas, Team Penning e Work Penning, e provas como as de rédeas, dos Três Tambores e Queima do Alho. Também se enquadram como patrimônio cultural imaterial os concursos de berrante, apresentações folclóricas e de músicas de raiz.

Wildemberg Sales foi um dos organizadores do Movimento Vaquejada Legal no Distrito Federal (DF), evento feito em outubro contrário à decisão do STF. Segundo ele, cerca de 700 mil famílias vivem de forma direta ou indireta da vaquejada em todo o país. Ele também alega não haver agressão aos animais durante os espetáculos, e que essas suspeitas decorrem, em parte, do fato de a vaquejada ser confundida com outras atividades, caso da farra do boi.

 

Da Agência Brasil

Câmara dos Deputados. Foto: Divulgação

Câmara dos Deputados. Foto: Divulgação

Após aprovar por quase unanimidade o texto-base do pacote de dez medidas anticorrupção do Ministério Público, o plenário da Câmara dos Deputados passou a madrugada desta quarta-feira (30) votando emendas e derrubando vários pontos importantes da proposta. Quase no final, o relator, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ironizou: “Está sendo dizimado (o pacote). Do jeito que vai as dez medidas vão virar meia medida.” A votação das emendas acabou às 4h19.

A primeira atitude dos deputados na madrugada foi incluir emenda com a possibilidade de punição de magistrados e integrantes do Ministério Público por crime de abuso de autoridade. A isso se seguiu uma série de alterações no pacote, sempre na linha de suprimir propostas do Ministério Público de endurecimento da legislação ou de simplificação dos trâmites processuais.

A maior parte das emendas foi capitaneada por PP e PT, partidos com vários políticos implicados na Lava Jato. Com votações expressivas contra o texto elaborado pela força tarefa de Curitiba, os deputados rejeitaram pontos como a tipificação do crime de enriquecimento ilícito de funcionário público, a ideia de tornar a prescrição dos crimes mais difícil e a de facilitar a retirada de bens adquiridos com a atividade criminosa.

Os parlamentares retiraram ainda a instituição do chamado “delator do bem”, pessoa que ganharia uma recompensa por entregar a autoridades crimes do qual não participe, mas que tenha conhecimento. A medida, uma das preferidas de Lorenzoni, foi classificada jocosamente por deputados como “regulamentação da profissão de dedo-duro”.

Outras medidas suprimidas foram as sugestões do Ministério Público de endurecimento da Lei de Improbidade e da possibilidade de cassação do registro e de punições mais severas a partidos e dirigentes que cometerem faltas graves. De substancial, restou no pacote do Ministério Público a criminalização específica do crime de caixa dois eleitoral (uso de dinheiro de campanha sem registro à Justiça) e a inclusão de alguns crimes na categoria de hediondos caso o valor desviado seja superior a R$ 8,8 milhões.

Entregue ao Congresso em março, a proposta chegou com o apoio de mais de dois milhões de eleitores e era considerada como essencial pelo Ministério Público Federal no combate à corrupção. Na comissão especial da Câmara, parte das propostas originais já havia sido retirada, entre elas a que permitiria o uso de provas ilícitas, desde que obtidas de boa fé, e o que dificultava a concessão pela Justiça de habeas corpus a presos. O texto segue agora para análise do Senado.

 

Da Folhapress

PEC 55 é aprovada em primeiro turno no Senado. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

PEC 55 é aprovada em primeiro turno no Senado. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

O Senado aprovou em primeiro turno nesta terça-feira (29) o texto-base da chamada PEC(Proposta de Emenda à Constituição) do Teto de Gastos, que limita, por 20 anos, as despesas do governo à inflação oficial dos 12 meses anteriores.

Prioridade do governo Michel Temer no Congresso em 2016, o texto recebeu 61 votos favoráveis, 14 contrários.

Por se tratar de PEC, a proposta precisava ser avalizada por, pelo menos, 49 dos 81 senadores – três quintos do total. A medida ainda passará por segundo turno, previsto para 13 de dezembro, a tempo de ser promulgada ainda neste ano.

A PEC restringe as despesas do governo ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) dos 12 meses anteriores, e tem duração de duas décadas, com possibilidade de mudança na forma de limitar os gastos a partir do décimo ano.

Para educação e saúde a correção do piso dos gastos só valerá a partir de 2018. Ou seja, o ano base levado em conta para cálculo do quanto poderá ser gasto a mais será 2017, quando se espera que a receita seja mais alta que em 2016. Além disso, o texto estabelece que a base de cálculo do piso da saúde em 2017 seja de 15% da receita líquida.

Túnel achado em presídio de Campina Grande (PB). Foto: Vinicius Veras/ QAP

Túnel achado em presídio de Campina Grande (PB). Foto: Vinicius Veras/ QAP

Foi achado em uma das celas do Presídio Padrão de Campina Grande (PB) na noite dessa terça-feira (29) um túnel de pouco mais de dois metros de profundidade. No local estavam 20 presos provisórios. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária da Paraíba (Seap) uma fuga em massa foi evitada. Houve um princípio de motim no presídio, mas foi contido. Mais de 30 presos foram transferidos para João Pessoa.

De acordo com o atual gerente executivo do Sistema Penitenciário da Paraíba João Paulo, a escavação estava no início e foi encontrada durante uma ronda de rotina dos agentes penitenciários da unidade.

Como medida disciplinar e de segurança, todos os presos da cela onde foi encontrado o início do túnel foram transferidos para o PB1, em João Pessoa, e mais outros que participaram do motim, totalizando 32.

Após a descoberta os presos quiseram fazer um motim, mas a situação foi rapidamente contida pelos agentes penitenciários do plantão, com o apoio do GPOE e Força Tática penitenciária e agentes penitenciários de outras unidades. Os detentos responderão a um processo criminal por dano ao patrimônio público. A cela passou por uma reforma para fechar o buraco.