O secretário do MEC, Maurício Romão, enfatizou que o relatório colaborou para identificar 72 entidades que podem estar atuando nos moldes investigados, em nível nacional. Foto: Jarbas Araújo/Alepe

O secretário do MEC, Maurício Romão, enfatizou que o relatório colaborou para identificar 72 entidades que podem estar atuando nos moldes investigados, em nível nacional. Foto: Jarbas Araújo/Alepe

A Assembleia Legislativa de Pernambuco recebeu nesta quinta (24), representantes do Ministério da Educação (MEC) para expor os encaminhamentos adotados a partir do relatório final da CPI das Faculdades Ilegais, que investigou a oferta irregular de cursos de ensino superior em Pernambuco. Com a presença, na reunião, de alunos afetados pelo esquema – que atingiu cerca de 20 mil pessoas no Estado – os representantes do Governo Federal também apontaram caminhos para a reparação judicial dos prejuízos sofridos.

O secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres) do MEC, Maurício Romão, enfatizou que o relatório encaminhado em junho colaborou para identificar 72 entidades – 35 de ensino superior e 37 que ofereciam cursos livres – que podem estar atuando nos moldes investigados, em nível nacional. A coordenadora-geral de Supervisão da Educação Superior, Amarílis Tavares, acrescentou que as 35 credenciadas no MEC estão presentes em 15 Estados. Segundo ela, 50 mil alunos teriam sido afetados no País.

Durante a reunião, também foram discutidas medidas extraordinárias para minimizar os danos aos estudantes, como a realização de transferência dos alunos matriculados para instituições de ensino superior.

Coordenador – geral de Assuntos Educacionais do MEC, Henrique Tróccoli Júnior disse que a situação terá que ser analisada caso a caso, junto ao Conselho Nacional de Educação. Ele reforçou a importância de os estudantes reunirem documentos que comprovem a inscrição e a participação nos cursos, e eventualmente se unirem em uma associação, de forma a embasar uma ação coletiva contra os responsáveis pelo esquema.

Os deputados Rodrigo Novaes (PSD) e Teresa Leitão (PT), que foram respectivamente presidente e relatora da CPI, levantaram a possibilidade de criação de uma Comissão Especial na Alepe para acompanhar os desdobramentos da investigação. “Se a gente identificar que a situação requer uma nova CPI, a gente pode fazer”, disse Novaes, que defendeu uma ação mais rigorosa do Ministério Público na área penal.

Encerrada no dia 1º de junho, a CPI das Faculdades Ilegais investigou durante nove meses a oferta irregular de cursos de ensino superior. Quatro tipos de irregularidades foram identificados durante o processo de investigação: o oferecimento de cursos de extensão sob forma aparente de graduação; a oferta de cursos superiores por instituições não credenciadas pelo MEC; o uso indevido de espaços públicos por instituições que ofereciam cursos irregulares; e o comércio de diplomas. O relatório final recomendou o indiciamento de 19 pessoas e 14 instituições.

TJPE: 323 ações de crimes dolosos contra a vida foram julgadas nas unidade de Primeiro Grau, no Mês Nacional do Júri. Foto: Reprodução Google/Street View

TJPE: 323 ações de crimes dolosos contra a vida foram julgadas nas unidade de Primeiro Grau, no Mês Nacional do Júri. Foto: Reprodução Google/Street View

Foi ultrapassada a marca de 300 processos julgados pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) nas três primeiras semanas do Mês Nacional do Júri. Nas 323 ações de crimes dolosos contra a vida, julgadas nas unidades de Primeiro Grau, ocorreram 203 condenações e 164 absolvições, sendo 33 crimes envolvendo casos de violência contra a mulher, 28 praticados dentro ou nos arredores de bares e casas noturnas, além de três cometidos por policiais. Mais de 700 processos estão em pauta para julgamento até o fim de novembro.

A mobilização nacional é voltada a julgar processos de crimes dolosos contra a vida, a exemplo de homicídios. A iniciativa é dos órgãos integrantes da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Conselho Nacional do Ministério Público e Ministério da Justiça, com o apoio dos tribunais. Foram agendados prioritariamente processos cujas denúncias foram recebidas até 31 de dezembro de 2009.

Rômulo Neto será Jesus na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém 2017. Foto: Divulgação

Rômulo Neto será Jesus na Paixão de Cristo de Nova Jerusalém 2017. Foto: Divulgação

Foi divulgado na manhã desta quinta-feira (24), pela Sociedade Teatral de Fazenda Nova divulgou, o elenco principal da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém 2017. O ator Rômulo Arantes Neto fará o papel de Jesus na temporada será realizada no período de 8 a 15 de abril. O ator Reynaldo Gianecchini chegou a ser especulado para interpretar o Cristo.

Elenco: Rômulo Neto (Jesus), Letícia Birkheuer (Maria), Rafael Viana (Herodes), Joaquim Lopes (Pilatos), Adriana Birolli (Madalena), Aline Riscado (Herodíades), modelo e ator Jesus Luz (João-apóstolo).

Será a temporada de comemoração do cinquentenário do espetáculo no maior teatro ao ar livre do mundo, em Fazenda Nova, Brejo da Madre de Deus, Agreste pernambucano. Muitas novidades estão sendo preparadas.

Como acontece todos os anos, os atores e atrizes convidados, juntamente com parte do elenco pernambucano, estarão, a partir do próximo dia 5 de dezembro, segunda-feira, na cidade-teatro de Nova Jerusalém, localizada no município do Brejo da Madre de Deus, para a gravação dos filmes de divulgação do espetáculo.

Para 2017, a venda de ingressos por meio do site oficial (www.novajerusalem.com.br) será iniciada a partir do dia 1º de dezembro. As entradas para o espetáculo custarão de R$ 100,00 a R$ 140,00, dependendo do dia, com meia-entrada para estudantes, professores de Pernambuco e público de até 14 anos. Nas compras feitas pelo site, o valor do ingresso poderá ser parcelado em até 12 vezes nos cartões de crédito, com os juros da operadora.

Elenco 2017 da Paixão de Cristo. Arte: Divulgação

Elenco 2017 da Paixão de Cristo. Arte: Divulgação

No Brasil há 172 mil pessoas com mais de um milhão de dólares na conta corrente. Arte: Reprodução

No Brasil há 172 mil pessoas com mais de um milhão de dólares na conta corrente. Arte: Reprodução

O número de milionários no Brasil não para de crescer, mesmo com a crise. Só neste ano o país ganhou mais dez mil afortunados. É o que aponta o relatório anual sobre fortunas feito pelo banco Credit Suisse.

O levantamento mostra que, no total, no Brasil há 172 mil pessoas com mais de um milhão de dólares na conta corrente, o equivalente a três milhões 350 mil reais.

O banco suíço avalia que o país vive um momento de grande desigualdade. Isso porque, ao mesmo tempo, 24 milhões de brasileiros têm renda inferior a cerca de 834 reais.

Ainda segundo o relatório, a economia brasileira viu a renda média do trabalhador cair a um terço do que era em 2011. Hoje, no mundo, existem 32 milhões e 900 mil milionários, a maioria está nos Estados Unidos.

Imagem ilustrativa

Imagem ilustrativa

A Polícia Civil de Pernambuco deflagrou nesta quinta-feira (24) a Operação Katrina contra suspeitos de tráfico de drogas com atuação nos municípios de Olinda, Recife, Paulista, Gravatá e Abreu e Lima, todos na Região Metropolitana do Recife. São cumpridos 15 mandados de prisão preventiva, oito mandados de busca e apreensão domiciliar e um mandado de condução coercitiva. Oito, do total de mandados, estão relacionados a alvos de dentro do sistema penitenciário.

Durante a manhã seis pessoas já foram presas e apenas um suspeito não foi localizado pelas equipes policiais, que continuam a busca. Com os criminosos foram apreendidos 1,8 kg de maconha e uma quantia em dinheiro. A investigação teve início há 12 meses e já prendeu 23 pessoas, das 38 envolvidas.

Cerca de 60 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães, participam da operação. As investigações foram efetuadas pela 3ª Delegacia de Repressão ao Narcotráfico, apoiada pelo Núcleo de Inteligência do Denarc.